Testes

A partir do início do século XX, a personalidade (ou personalidades) se tornou um dos focos de atenção da psicologia e dos estudos neurológicos. As razões para este interesse podem variar.

Muitos cientistas acreditam ser possível prever o desenvolvimento do comportamento de alguém com base em sua personalidade. Outros se concentram mais no aspecto saudável da mente e desejam saber se certos tipos de personalidades são mais propensos a transtornos mentais, por exemplo.

Fora da comunidade científica, o interesse também é notável. Muitas pessoas simplesmente desejam saber mais sobre si mesmas, enquanto empresas e empregadores acreditam cada vez mais que conhecer a personalidade de alguém os pode ajudar a avaliar melhor se um potencial funcionário é adequado para o ambiente de trabalho e para as tarefas para as quais estão se candidatando.

Os testes que oferecemos abrangem essas duas dimensões: a profissional e a pessoal. O Teste de Personalidade é baseado no modelo Big 5, a teoria mais aceita e utilizada na comunidade científica1.

Já o Teste de Habilidades foi elaborado com base na teoria do Great 8, desenvolvida por Bartram2, que criou um modelo com o objetivo de prever o desempenho e eficiência organizacional por meio da avaliação de aspectos comportamentais. Esses aspectos incluem traços de personalidade, motivação, interesses e habilidades.

Personalidade

Teste PAPI
O teste PAPI explora os elementos da personalidade e comportamentos preferidos de um indivíduo, ajudando as empresas a avaliar se um potencial funcionário se enquadra no perfil que procuram.
Teste de Personalidade
Um questionário baseado no modelo de personalidade Big Five. Avalia a pontuação do participante em cada uma das cinco dimensões de personalidade dessa teoria.

Competências

Teste de Habilidades
Avalia os oito fatores de competência identificados pelo Great Eight, uma teoria de competências que prevê o desempenho e a satisfação organizacional.

Referências:

1 Gomes, C., & Golino, H. (2012). Relações Hierárquicas entre os Traços Amplos do Big Five. Psicologia: Reflexão e Crítica, 25(3), 445-456; John, O., Naumann, L., & Soto, C. (2008). Paradigm shift to the integrative Big-Five trait taxonomy: history, measurement, and conceptual issues. In O. John, R. Robins, & L. Pervin (Eds.), Handbook of personality: theory and research (pp. 114-158). New York, NY: Guilford Press; Costa, P., & McCrae, R. (1992). Normal personality assessment in clinical practice: the NEO Personality Inventory. Psychological Assessment, 4(1), 5-13. doi: 10.1037/1040- 3590.4.1.5

2 Bartram, D. (2002). The SHL Corporate Leadership Model: SHL White Paper. Thames Ditton: SHL Group.